TRANSAÇÃO TRIBUTÁRIA (COVID-19)

Audio esclarecendo a transação

TRANSAÇÃO TRIBUTÁRIA: NOVA MODALIDADE DE TRANSAÇÃO É PUBLICADA PELO MINISTÉRIO DA ECONOMIA

RESUMO: Publicada Portaria 247 e Portaria 14.402 pela PGFN que institui nova Transação Tributária

No dia de ontem, 17/06/20, foram publicadas pelo Ministério da Economia e PGFN as Portarias 247 e 14.402 dispondo sobre nova modalidade de Transação Tributária

A nova Portaria disciplina os critérios e procedimentos para elaboração e celebração de transação por adesão no âmbito do contencioso tributário, prevendo descontos de até 100% de multas e encargos e possibilidade de parcelamento em até 133 meses para aqueles contribuintes que cumprirem com todos os requisitos.

Um dos principais requisitos para concessão de benefícios será o grau de recuperabilidade dos créditos tributários, conforme consta no art. 5º da Portaria 14.402:

Art. 5º. Observada a capacidade de pagamento dos devedores inscritos e para os fins da transação excepcional prevista nesta Portaria, os créditos inscritos em dívida ativa da União serão classificados em ordem decrescente de recuperabilidade, sendo:

I – créditos tipo A: créditos com alta perspectiva de recuperação;

II – créditos tipo B: créditos com média perspectiva de recuperação;

III – créditos tipo C: créditos considerados de difícil recuperação;

IV – créditos tipo D: créditos considerados irrecuperáveis.

A adesão à nova transação estará disponível entre 01/07/20 até 29/12/20 no site do REGULARIZE da Procuradoria da Fazenda Nacional.

HISTÓRICO:  A Transação Tributária é uma espécie de acordo entre Fazenda e Contribuinte, onde ambas as partes, mediante concessões mútuas, pretendem finalizar uma disputa. Trata-se de forma de extinção do crédito tributário que constava prevista no art. 156, III do nosso Código Tributário Nacional e que jamais havia sido regulamentada.

Em 2020, com o advento da MP 899/19, convertida na Lei 13.988/20, passou a ser possível ao Fisco regulamentar hipóteses de transação tributária.

Ato contínuo foi publicada a Portaria 9.917 pelo Ministério da Fazenda e a Portaria 9924 pela PGFN, a qual permite adesão até 30/06/20 com prolongamento das dívidas em até: i) 81 meses para pessoa jurídica; e ii)142 meses para pessoa física, microempresa, empresa de pequeno porte, sociedades cooperativas, etc. (mais informações podem ser obtidas no seguinte link: https://direitodotransporte.com/2020/04/17/pgfn-regulamenta-transacao-extraordinaria-adesao-ate-30-06-20/)

Assim, no momento em que for finalizada a possibilidade de adesão à transação prevista na Portaria 9.924 da PGFN (Transação por Adesão Extraordinária), passará a ser possível a adesão à Portaria 247 publicada no dia de ontem, a qual já se chama Transação COVID-19.

Objetivo da Transação COVID – 19: A PGFN e o Ministério da Economia sustentam que o objetivo de implementação da atual Transação Tributária é pela busca de minorar os impactos da pandemia (COVID-19) e, também, a expectativa de tentar acabar com a política de REFIS até então existente no país.

Sustenta a PGFN, nesse sentido, que os chamados REFIS acabam beneficiando todos os contribuintes de forma indistinta, sem atentar para o caso concreto e, com a transação se pretenderá conseguir conferir um grau maior de análise individual para beneficiar apenas aqueles contribuintes que realmente necessitem do benefício, cobrando a integralidade da dívida daqueles que não precisam de descontos.

Ainda deveremos aguardar a publicação do Edital por parte da PGFN e RFB, o qual demonstrará de forma objetiva quais serão os critérios para obtenção de prazo ou de desconto, sendo que Portaria 247 indica que o Edital poderá prever a concessão de descontos de até 50% (cinquenta por cento) do valor total do crédito, e de prazo para pagamento de, no máximo:

I – oitenta e quatro meses, no contencioso tributário de relevante e disseminada controvérsia jurídica; e

II – sessenta meses, no contencioso tributário de pequeno valor.

No contencioso tributário de pequeno valor, o desconto máximo somente poderá ser atribuído nas hipóteses em que o prazo de quitação seja igual ou inferior a doze meses.

Restaram definidas, também, as hipóteses de vedação à transação, quais sejam:

i. nova transação relativa ao mesmo crédito tributário; ii. redução de multas de natureza penal; iii. concessão de descontos a créditos relativos ao SIMPLES e ao FGTS; iv. devedor contumaz, conforme definido em lei específica; v controvérsia definida por coisa julgada material; dentre outras.

Podem levar à rescisão da transação o não pagamento de três parcelas consecutivas ou alternadas, a falência da empresa ou a observação, pela PGFN, de tentativas de esvaziar o patrimônio da pessoa jurídica.

À guisa de conclusão registra-se que, embora ainda estejamos esperando a divulgação dos critérios que serão adotados para a aplicação da Portaria 247, os quais deverão constar no referido Edital a ser publicado ainda neste mês, foi manifestado pela PGFN em seu pronunciamento oficial que um dos critérios apontados como relevantes para obter os descontos será a demonstração de que, em razão da pandemia, a empresa solicitante sofreu impacto em seu caixa. Portanto, aquelas empresas que não sofreram perdas em razão da Pandemia poderão não ser beneficiadas com nenhuma espécie de desconto.

Permanecemos à disposição para eventuais questionamentos e, em caso de novas alterações informaremos prontamente.

Zanella Advogados Associados.

Equipe Tributária.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s